Review - Mortal Kombat II - Super Nintendo - Neo Player - Podcast sobre videogames

Ultimas

sábado, 16 de junho de 2018

Review - Mortal Kombat II - Super Nintendo



Mortal Kombat II - Super Nintendo

Depois da já conhecida tragédia que abalou o console da Nintendo no primeiro port da franquia Mortal Kombat, as coisas começaram a se encaixar na sequência da franquia. A Nintendo reinaria absoluta se não fosse a tosqueira de simplesmente modificar o game para se tornar mais "apropriado" para os jogadores mais novos, antes tivessem acrescentado um código como fez a SEGA com o game, mas enfim, o que foi feito já está feito, não tem como mudar, vamos para o próximo.


Ainda lembro meu primeiro contato com o game em um Arcade de bairro, filas para se disputar um contra que muita das vezes nem sabíamos o que iria acontecer, pois se tratava de um game totalmente diferente do primeiro, novos cenários, novos personagens, outros bem descaracterizados, novos golpes, fatalities, era como brincar de perder dinheiro, o que se podia fazer? tentar e tentar, se não desse, voltar no dia seguinte e continuar tentando. 


Entre idas e vindas eu adquiri meu Super Nintendo, o game era lançamento no Brasil e não sei como diabos aquele Arcadezinho de bairro possuía o jogo que até então todos acreditavam ser de Arcade mesmo, ledo engano, o jogo de tão perfeito e fiel ao original, enganou várias e várias pessoas que assim como eu só queria pegar o Sub-Zero para tentar tirar o moleque que vivia no flipper tirando todo mundo e não deixando ninguém jogar direito.


Mortal Kombat II de Super Nintendo é uma das obras prima do console, um game de luta que já despontava nos Arcades como um dos melhores da época, agora também presente nos consoles caseiros, um luxo para os gamers de plantão. A versão da Nintendo graficamente falando é idêntica ao Arcade, salvo pequeno detalhe para com o tamanho dos jogadores na tela que tiveram uma pequena redução, mas isso é algo relevante até mesmo hoje em dia falando, o único grande corte que o port sofreu foi na abertura, de resto está praticamente tudo presente.



|__CisNegro__|







Nenhum comentário:

Postar um comentário