Review - Rival Schools: United by Fate - Playstation - Neo Player - Podcast sobre videogames

Ultimas

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Review - Rival Schools: United by Fate - Playstation



Rival Schools: United by Fate - Playstation

Na década de 90, as empresas de games estavam ainda fazendo a transição do 2D para o 3D, isso foi ocorrendo aos poucos, me lembro ainda de virar a cara para esse novo segmento, acreditei mesmo que envelheceria achando que jogos em 3D nunca teriam uma movimentação tão suave e tão ligeira quanto os jogos em 2D, principalmente se tratando de games de luta.


Eu começava a seguir adiante com um console da nova geração, o videogame em questão era o SEGA Saturn, minha porta de entrada para esse novo mundo 3D e olha que o console da SEGA nunca foi bom nesse tipo de jogos, mas só vim saber disso depois. O jogo que me surpreendeu na época foi Fighting Vipers, uma espécie de Virtual Fighter mais despojado, mais jovem, enfim completamente diferente do seu antecessor espiritual, o fato é que esse game me fez despertar algum interesse por esse estilo de jogo, mas ainda faltava algo.


Anos depois já com o Playstation vim a descobrir o Street Fighter EX, sim aquele game em 3D do Street Fighter, ali a Capcom me pegou de jeito, o jogo era a essência dos jogos em 2D num mundo 3D, a fusão mais legal que presenciei até então. Quando eu pensava que a coisa não podia melhorar, a própria Capcom me lança um game bem louco, diferente, ousado, para a época, sem dúvida, um tal de Rival Schools.


Personagens que mais parecem ter saído de um anime japonês, combos aéreos, magias, explosões, ataques em dupla, cura com um beijo de sua parceira! Tudo isso, em um jogo que para mim, tem uma das melhores jogabilidades no cenário Fighting Games 3D. Rival Schools foi definitivamente um exagero de game para a sua época, ele já surpreendia pelo seu case, 2 CDs num jogo de luta? Era algo curioso, mas ao mesmo tempo inovador. Uma pena que visto de hoje, o game aparenta ter envelhecido mal, a minha maior queixa fica para os gráficos, que pela data que foi portada, merecia uma atenção melhor, vide outros jogos do gênero apresentarem resultados mais satisfatórios, tirando isso de lado, Rival Schools é uma franquia bem construída e aproveitada pela Capcom, uma pena que não seja com novos lançamentos, apenas com seus personagens inesquecíveis.


Quando a franquia aparentava estar morta, a Capcom nos surpreende com uma sequência do game intitulada Project Justice, jogo exclusivo para o Dreamcast. O que me deixou curioso, foi o fato do game ter melhorado muito em alguns aspectos como som e gráfico, mas no quesito jogabilidade, deixou a desejar. O game de fato é mais travado e limitado que o primeiro, apesar de várias novidades como trios e combos, jogar Rival Schools já não era tão divertido quanto foi da primeira vez, será o seu fim? estaria a franquia morta? Só nos resta esperar, seus chars ao menos estão bem presentes em jogos da empresa, um sinal que não foram esquecidos.




|__CisNegro__|









Nenhum comentário:

Postar um comentário