Review - I-Ninja - Playstation 2



I-Ninja - Playstation 2

Já estamos mais que acostumados com a palavra “exclusivo”, ou por que não “exclusividade temporária”, o que nada mais é que durante certo período de tempo algo ou no caso um jogo só se torne possível ser adquirido em uma plataforma especifica por um determinado período de tempo, e apos o termino desse tempo o jogo pode começar a aparecer em outras plataformas/consoles.

Mas e quando essa exclusividade aparece mas não de forma convencional, quando essa se faz presente apenas em uma determinada região, quando determinado jogo é lançado para varias plataformas em praticamente todas as regiões do mundo, mas em determinado lugar ou região devido a contratos de exclusividade esse só venha a ser lançado para determinada plataforma X.

Foi exatamente isso que aconteceu com o jogo “I-Ninja” de “Playstation 2”, o jogo recebeu versões além de Playstation 2, para “Game Cube”, “Xbox” e “PC”, mas devido a contratos com a “Sony” a desenvolvedora do jogo na Europa ficou restrita a apenas lançar o jogo para “Playstation 2” e “PC”, fazendo assim o jogo se tornar um jogo exclusivo de consoles pelo menos nessa parte do planeta.

I-Ninja conta uma historia simples, “O-Dor” envia seu subordinado “Ranx” para aprisionar o personagem conhecido apenas pela alcunha de “Sensei”, enquanto isso o personagem apenas conhecido por “Ninja” que estava em treinamento com Sensei vai em busca de resgatar seu mestre, Ninja enfrenta Ranx e durante esse confronto uma outra criatura aparece e Ninja o derrota, só que esse arremessa uma pedra chamada “Rage Stone” e mesmo tentando desviar ela resvala em Ninja e esse entra em um estado de fúria e acidentalmente ele mata Sensei, Sensei reaparece para Ninja e diz que ele pode derrotar O-Dor se ele conseguisse juntar outras Rage Stones, Sensei então diz a Ninja que vai guia-lo durante esse trajeto indicando onde estão as demais pedras.

E como todo bom jogo de Ninja esse não poderia ser diferente e a agilidade e velocidade com que Ninja se locomove e desfere seus golpes é algo que deixa o jogo ainda mais convidativo, visto que as respostas de seus comandos no jogo são muito precisas aliada ainda a uma enorme facilidade em se criar sequencias para derrotar seus inimigos, isso faz com que você não se sinta acuado mesmo quando uma enorme quantidade de inimigos o cerca, e ainda lhe possibilitando a usar todas as habilidades de Ninja como dar saltos duplos, correr e saltar de uma parede a outra com grande facilidade, usar sua espada como espécie de hélice para conseguir planar, ou mesmo em momentos que você finaliza seus adversários e o sangue (verde) desse jorra por todo o lugar.

E como você esta no controle de um “mini” personagem, alias essa é a grande característica do jogo, todos os personagens aliados ou não são como você mini personagens, ou algo do tipo, tudo ao seu redor parece muito grande, você sempre tem a impressão que esta no meio de grandes ambientes, com maquinas gigantescas e coisas do tipo, tudo sempre bem colorido e atrativo aos seus olhos, além de você gostar do que esta vendo, você ainda não tem a impressão que esta no meio de um lugar vazio que esta faltando algo, muito pelo contrario você constantemente tem a impressão que algo muito maior estar por acontecer ou mesmo por chegar.

E como não poderia deixar de ser não ficamos apenas com a impressão de que coisas grandes podem acontecer no jogo, já que no jogo em determinados lugares você vai estar no controle de um robô gigante e terá que enfrentar um outro inimigo gigante em uma espécie de luta de boxes de robôs, ou ainda, no controle de um submarino onde você vai ter que destruir todos os inimigos que vão aparecendo em sua frente, tudo como já mencionei antes, com um ar de que tudo ao seu redor é muito grande e colorido contrastando com a aparente forma “mini” de seu personagem.

E para deixar o jogo ainda mais com esse ar todo engraçadinho o jogo é recheado de cenas que se não hilárias, são muito engraçadas, o que faz a jogatina ser bem mais descontraída, descontração essa que pode ficar ainda maior se você aprender alguns dos truques que podem serem feitos nesse jogo como o truque de deixar os inimigos cabeçudos, coisas essas bem simples e que foi até que bem normal em jogos mais antigos e que já não vemos com tanta frequência em jogos atuais.

A aparente forma de um simples jogo de plataformas em 3D pode enganar alguns dando a falsa impressão que esse é um jogo voltado para o publico mais infantil, fato esse que assim que damos o pontapé inicial do jogo cai por terra, onde além de encontrar um jogo com uma dificuldade moderada, onde que se não tiver certo empenho do jogador esse não vai conseguir terminar o jogo, ainda temos as diversas mecânicas, e distribuição de habilidades que vão sendo adquiridas durante o jogo que fazem desse um bom jogo de plataformas em 3D, e que se não muito criativo já que em vários momentos presenciamos coisas que já vimos outrora em jogos do mesmo gênero, esse ainda sim é um jogo a se considerar.

I-Ninja foi desenvolvido pela “Argonaut Games” e publicado pela “Namco” em 2003 para Playstation 2, Xbox, Game Cube e PC, uma versão do jogo chegou a ser cogitada para “Game Boy Advance”, mas essa foi cancelada, ouve também intensão de se lançar uma continuação do jogo, continuação essa que ficou apenas nos planos.



Vídeo Gameplay



(Dissection)



Episodio do podcast que o jogo foi um dos jogos mencionados:
Neo Player - 037 - Empresas que amamos - Namco






Posts Relacionados