Review - Golden Sun: Dark Dawn - Nintendo DS



Golden Sun: Dark Dawn - Nintendo DS

Não sei dizer ao certo mais umas das series de RPGs que eu mais joguei no “Game Boy Advance” foi com certeza os jogos da serie “Golden Sun”, lembro-me de ter ficado impressionado quando um amigo meu me apresentou o primeiro jogo da serie, era tudo muito bonito, cheio de pequenos detalhes, e com um visual incrível que não tinha como não gostar de tudo aquilo.

E o mesmo aconteceu quando tive o prazer de jogar a continuação desse primeiro jogo, era tudo melhor, com gráficos ainda mais bem elaborados que o primeiro, uma trilha sonora muito mais grandiosa que o primeiro, e o jogo em si era maior, você conseguia notar nitidamente, e sem nenhuma hesitação o quanto o jogo tinha evoluído do primeiro para o segundo jogo da serie.

Então não era de se estranhar de quando do anuncio de “Golden Sun: Dark Dawn” foi feito eu não perdi tempo e comecei a criar altas expectativas em relação a esse jogo, já que alem de ter jogado os jogos anteriores, esses não somente tinham me agradado como eles criaram um paramento de qualidade que para mim era quase que inabalável de tamanha certeza que esse novo capitulo da serie seria tão bom ou melhor que os anteriores.

E felizmente para mim o jogo conseguiu me agradar, a começar por seus gráficos belíssimos, e cenários muito bem elaborados, mesmo que em grande parte tenhamos a sensação de que já tenhamos visto tudo aquilo nos jogos anteriores da serie, mas ainda sim, eram de cair o queixo, ainda mais se levarmos em conta para que plataforma esse jogo foi desenvolvido.

Outra coisa que me chamou muito a atenção nesse jogo, foram as musicas, que continuaram no mesmo estilo dos jogos anteriores, só que bem mais trabalhadas, com uma qualidade bem superior a dos jogos anteriores, fora que ainda pegaram varias musicas dos jogos antigos e retrabalharam em cima delas, as deixando mais vibrantes e em muitas das vezes mais rápidas e bem mais gostosas de se ouvir.

E como não poderia deixar de ser, já que a historia meio que se fechou nos dois primeiros jogos da series, os desenvolvedores tiveram que criar um gancho para conseguir dar continuidade na historia do jogo, onde essa nos conta, que trinta anos se passaram desde que o poder restaurador de Golden Sun voltou ao mundo de “Weyard”, e durante esse período muita coisa mudou, ou foram se transformando, novos continentes apareceram, novos países surgiram, novas raças e tipos de bichos surgiram ou mesmo se desenvolveram.

Mas com essas mudanças também começam a aparecer novas ameaças e uma dessas ameaças são os “Vórtices” que absorvem a “Psynergy”, e para tentar manter o mundo na tranquilidade em que vivia, um novo grupo de heróis, desentendes daqueles que trinta anos atrás lutaram para restabelecer o poder, são atraídos e partem em meio a um mundo caótico para desvendar os mistérios de Vórtices.

Mas nem tudo são flores, já que uma das coisas mais criticadas no jogo são a grande quantidade de momentos em que você simplesmente não faz nada, pois vai estar acompanhado alguma parte da historia, fato esse que é quase que a todo momento, visto que o jogo não é muito comprido então praticamente você vai passar dez minutos jogando e outros dez minutos acompanhando alguma historia, e isso foi algo bem criticado por alguns.

Outra coisa que também não agradou muito os jogadores foi o fato que o jogo é muito fácil, ainda mais se comparado com os dois primeiros jogos da serie, aqui você praticamente não vai encontrar muitas dificuldades para seguir em frente na historia, mesmo quando você estiver resolvendo alguns dos diversos quebra cabeças espalhados por todo jogo, coisa esse bem presente em toda a serie, mas que mesmo esses tiveram uma considerável queda em sua dificuldade se comparados aos dois jogos anteriores.

Quebra cabeça esses que em grande maioria são resolvidos com auxilio de seus poderes “Psynergy”, que assim como nos jogos anteriores podem ser usados para mover rochas, para levitar itens entre outras coisas, tudo bem parecido como eram os jogos antigos, outra coisa que ainda encontramos, são os famosos “Djinns”, que nessa versão são mais de setenta tipos diferentes que junto a algum aliado de seu time podem acrescentar ao personagem em questão diversos tipos de atributos, como aumento de força, de destreza, alterar classe, adicionar habilidade de magias especificas, entre varias outras coisas dependendo o Djinn que foi combinado com o personagem.

O jogo é super adaptado aos controles do Nintendo DS, dando possibilidades de você jogar somente fazendo uso dos botões do portátil, onde você pode até criar alguns atalhos com comandos especifico, um exemplo é colocar as magias de locomoção de itens nos botões “L” e “R”, ou então você pode jogar o jogo fazendo uso da “Stylus”, a famosa conetinha do Nintendo DS.

Golden Sun: Dark Dawn foi desenvolvido pela “Camelot Software Planning” e publicado pela “Nintendo” em 2010 para “Nintendo DS”. O jogo foi bem aceito pelo publico e criticas em geral, onde esses diziam que o jogo pecava com o excesso de cenas para contar a historia e com a baixa dificuldade encontrada no jogo.



Vídeo Gameplay



(Dissection)








Posts Relacionados